Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://ri.ufmt.br/handle/1/1053
Tipo documento: Dissertação
Título: La Hora Violeta de Montserrat Roig : a inquietação no processo da representação literária
Autor(es): Silva, Daniele Cristina da
Orientador(a): André, Rhina Landos Martínez
Membro da Banca: André, Rhina Landos Martínez
Membro da Banca: Reis, Célia Maria Domingues da Rocha
Membro da Banca: Esteves, Antonio Roberto
Resumo : Nessa dissertação estudamos o romance La hora violeta (1980) da escritora catalã Montserrat Roig e nela analisamos as motivações dos diversos momentos de inquietação e desassossego pelos quais passa Norma, personagem escritora criada pela autora e responsável por organizar a história de duas mulheres da burguesia catalã que viveram o período turbulento da Guerra Civil Espanhola e dos primeiros anos da ditadura franquista. A reconstrução do passado reflete a preocupação da autora em lutar contra o esquecimento de vivencias traumáticas coletivas e seu interesse em trabalhar a relação dialética entre memória e história, priorizando os discursos minoritários silenciados em sua sociedade pela ditadura e pelo sistema patriarcal. Para trabalharmos com a relação entre a representação da realidade e a ficção nos pautamos em discussões de Seligmann-Silva, Valéria De Marco, Levi e Semprún. Em relação aos estudos sobre história e memória, Nietzsche, Benjamin, Gagnebin, Halbwachs e Olmi sustentam as discussões. O processo de retomada de um passado, aparentemente distante da vida de Norma, adquire significados importantes, pois se apresenta como um desafio para a representação dos seus próprios anseios e angústias. A configuração da obra, pelos temas que se abordam, no se realiza de maneira fria e insensível, mas bem se tem que experimentar o sofrimento, a dor e aflição, pois a personagem Norma precisa passar por uma espécie de purgatório, para seguir o curso de sua própria vida. Nesse sentido, podemos afirmar que o processo de escritura se transforma em uma maneira de tratamento psicológico. Apesar de ser um procedimento penoso e angustiante e de enfrentamento de conflitos sociais e pessoais, é através dele que Norma pode compreender a si mesma e libertar-se de seus traumas.
Resumo em lingua estrangeira: RESUMEN: En esta disertación estudiamos la novela La hora violeta (1980), de la escritora catalana Montserrat Roig y en ella analizamos las motivaciones de los momentos de inquietud y desosiego que sufre Norma, durante el proceso de la elaboración literaria. Norma es la escritora personaje criada por la autora y responsable por organizar la historia de dos mujeres de la burguesía catalana que vivieron el período turbulento de la Guerra Civil Española y de los primeros años de la dictadura franquista. La reconstrucción del pasado refleja la preocupación de la autora en luchar contra el olvido y trabajar en una relación dialéctica memoria e historia priorizando los discursos minoritarios silenciados en la sociedad y que fueron sofocados por la dictadura y por el sistema patriarcal. Para trabajar con la relación entre representación de la realidad y la ficción nos apoyamos en discusiones de Seligmann- Silva, Valéria De Marco, Levi, Semprún. En relación a los estudios sobre historia y memoria, Nietzsche, Benjamin, Gagnebin, Halbwachs y Olmi sustentan las discusiones. El proceso de retomada de un pasado, aparentemente distante de la vida de Norma, adquiere significados importantes, pues se presenta como un desafío para la representación de sus propias ansiedades y angustias. Esta labor no se realiza sencillamente, sin sufrimiento, dolor y aflicción, pues el personaje precisa pasar por una especie de purgatorio para seguir el curso de su propia vida. En ese sentido, podemos afirmar que el proceso de escritura se transforma en una manera de tratamiento psicológico. A pesar de ser un procedimiento penoso y angustiante, es a través de él y del enfrentamiento de conflictos sociales y personales que Norma puede comprenderse a sí misma y liberar-se de sus traumas.
ABSTRACT: In this dissertation we have studied the novel La hora violeta by the Catalan writer Montserrat Roig (1980) and it has analyzed the motivations of several moments of unrest and anxiety which threaten the character Norma, a writer character created by the author and responsible for organizing the story of two women from the Catalan bourgeoisie who went through the turbulent period of the Spanish Civil War and the early years of Franco’s dictatorship. The reconstruction of the past reflects the concern of the author to fight against the forgetting of collective traumatic experiences and its interest in working with the dialectical relationship between memory and history, prioritizing the minority discourses silenced in their society by the dictatorship and the patriarchal system. To work with the relationship between representation of reality and fiction we have based on discussions of Seligmann-Silva, Valéria de Marco, Levi Semprún among others. Regarding the studies about history and memory, Nietzsche, Benjamin, Gagnebin, Halbwachs and Olmi held the discussions. This process of revival of a past, seemingly distant from the life of Norma, it acquires important meanings, therefore, it presents as a challenge for the representation of their own desires and sorrows. The settings of the work, according to the themes discussed, do not happen in a cold and insensitive way, but she has to experience suffering, pain and distress in which the character Norma must pass a sort of purgatory to follow the course of her life. In this sense, we may approach the process of writing becomes a way of psychological treatment. Despite of being a painful and distressing procedure, it is through it and facing her personal and social conflicts that Norma can understand herself and achieve the liberation from her traumas.
Palavra-chave: Montserrat Roig
La hora violeta
Memória
Inquietação
Representação
Palavra-chave em lingua estrangeira: Historia
Memoria
Inquietud
Representación
Ficción
CNPq: CNPQ::LINGUISTICA, LETRAS E ARTES
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Universidade Federal de Mato Grosso
Sigla da instituição: UFMT CUC - Cuiabá
Departamento: Instituto de Linguagens (IL)
Programa: Programa de Pós-Graduação em Estudos de Linguagem
Referência: SILVA, Daniele Cristina da. La Hora Violeta de Montserrat Roig: a inquietação no processo da representação literária. 2012. 111 f. Dissertação (Mestrado em Estudos de Linguagem) - Universidade Federal de Mato Grosso, Instituto de Linguagens, Cuiabá, 2012.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://ri.ufmt.br/handle/1/1053
Data defesa documento: 27-Apr-2012
Aparece na(s) coleção(ções):CUC - IL - PPGEL - Dissertações de mestrado

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
DISS_2012_Daniele Cristina da Silva.pdf1.15 MBAdobe PDFVer/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.