Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://ri.ufmt.br/handle/1/882
Tipo documento: Dissertação
Título: Da educação do rebanho : reflexões nietzschenianas sobre o ensino oferecido às massas
Autor(es): Marchesi, Reinaldo de Souza
Orientador(a): Monteiro, Silas Borges
Membro da Banca: Rios, Terezinha Azerêdo
Membro da Banca: Gomes, Cleomar Ferreira
Membro da Banca: Monteiro, Silas Borges
Resumo : Da Educação do rebanho: reflexões nietzschenianas sobre o ensino oferecido às massas‖ é o título eleito para desenvolver a pesquisa acerca da temática da educação em Friedrich Nietzsche. Com a noção de que eram inúmeras as entradas possíveis em sua filosofia, em sua visão sobre educação encontrei a minha entrada, acerca da qual lancei a discussão sobre o discurso da expansão da educação superior. O objetivo principal foi de analisar referências a partir do texto do filósofo, sobre suas concepções e críticas, no intuito hipotético de encontrar se aquilo que se fez na Alemanha do século XIX se faz bastante presente naquilo que vemos em nosso sistema educacional atual; busquei expor as razões pela qual Nietzsche faz determinadas críticas à educação de sua época e seus apontamentos por uma determinada perspectiva de ensino superior que não fosse para todos, aos moldes democratizantes daquilo que vemos hoje. É adotado o método interpretativo como recurso metodológico para realizar uma leitura profícua dos escritos de Nietzsche, tomando por análise as suas Conferências ―Sobre o futuro de nossos estabelecimentos de ensino‖ proferidas na Basiléia no ano de 1872. Tendo sido trabalhado a filosofia de Nietzsche como referencial teórico, seu texto é utilizado como fonte principal no intento de produzir enunciados à luz ou na perspectiva de seu pensamento. Utilizei também o auxílio da produção bibliográfica de especialistas (leitores comentadores) da obra de Nietzsche. Dos resultados e discussões: na leitura de Nietzsche a educação é um fenômeno de ―rebanho‖ desde a sua época, e nota-se que isso foi se radicalizando cada vez mais até o século XXI sob os reflexos de uma proposta Iluminista de universalização da educação inspirada na Revolução Francesa. Bem como, a partir do momento que Estado passa a assumir o controle do sistema educacional na Alemanha, tal qual lá, aqui também é nítido que a tendência de uma educação que forme apenas para uma profissão tome o rumo de sufocar a possibilidade de uma educação para a cultura. Outro fato é a educação ser colocada como um destino comum a todos e, quando posta de tal maneira, vejo implicitamente uma idéia totalizante e totalitária presente em tal discurso. A tendência em voga sobre o ―sucesso‖ profissional via instituições educacionais é um mecanismo discursivo que visa garantir o interesse do rebanho pelo destino educacional que lhe é ofertado, uma forma de ―arrebanhar‖. O destino criado e projetado pelo Estado para com a Universidade (que haveria de ser uma instituição de cultura por excelência) visa oferecer uma educação do tipo como queira (que aplaina as diferenças/homogeneizando os diferentes) capaz de formar apenas dois tipos de sujeitos: o profissional – ―servo do ganha-pão‖ e/ou erudito – ―escravo da ciência‖, invés de ofertar uma educação para cultura que forme indivíduos criativos. Num sentido metafórico, falamos da educação para as massas na forma da educação do rebanho, onde a tentativa totalizante de sê-la para todos revela-nos a realidade de uma educação de pouca qualidade para todos, num projeto de sê-la para maioria é negociado o senso de qualidade e a possibilidade do objetivo de uma formação verdadeiramente para a cultura. Compreendemos ser esse o problema do discurso irrealizável, bom apenas para utopia.
Resumo em lingua estrangeira: Of Flock Education: nietzschean reflection on education offered to the masses‖ is the elected title to develop a research regarding the educational issue in Friedrich Nietzsche. Bearing the notion that multiple are the possible entries in his philosophy, in his view on education I found my entry, about which I raised the discussion on the superior education expansion discourse. The main objective was analyzing references from the philosopher‘s text, about his conceptions and critics, hypothetically aiming to figure out if what has been done in XIX century Germany has been quite present in what we see in our current educational system. I attempted to expose the reasons for which Nietzsche criticized the education of this time and his notes for a determined perspective of a superior education that would not be destined for all people, as in the democratizing forms which we behold today. As a methodological resource, the interpretation method is employed to accomplish a profitable reading of Nietzsche‘s writings, holding into analysis the Conferences ―Over the future of our educational establishments‖ pronounced in Basilea in the year of 1872. Having worked Nietzsche‘s philosophy as theoretic reference, his text has been used as the main source aiming to produce statements at his light or in the perspective of his thoughts. I also made use of experts‘ bibliographic production (commentator readers) of Nietzsche‘s work. Of results and discussions: in Nietzsche‘s reading, education is a ―flock‖ phenomena since his time, and it has been noticed that this has been radicalized even more until the XXI century under the reflexes of an Illuminist proposal of educational universalization inspired on the French Revolution. Also, from the moment the state seizes control of the educational system in Germany, as well as there, here it is also clear that the tendency to an education that instructs for only one profession gets on the way of an education intended to instruct for culture. Another fact is that education is put as a destiny that is common to all, and, when set forth that way, I implicitly see a totalitarian and totalizing idea present in such speech. The trend in vogue about professional ―success‖ via educational institutions is a discursive mechanism that aims to assure the flock‘s interest in the educational destiny which is offered to them, one way to ―flock them in‖. The fate created and projected by the State for the University (which would have to be par excellence a cultural institution) aims to offer an education of the laissez-faire kind (flattening differences/ homogenizing the different ones) capable to produce only two types of subjects: the professional ones – ―living-making servants‖ and/or the erudite ones – ―slaves to science‖, instead of offering an education towards culture which would produce creative individuals. In a metaphorical sense, we talked about education for the masses as flock education, where the totalizing attempt of it to be meant for all unfolds the reality of a lowquality education for all. Within the project of being meant for the majority, the sense of quality and the possibility of the goal of a true culture-bound formation are negotiated. We understand that to be the problem of the speech that is unable to be accomplished, good enough only for utopia.
Palavra-chave: Educação do rebanho
Educação para todos
Universalização do ensino superior
Palavra-chave em lingua estrangeira: Flock education
Education for all
Universalization of superior education
CNPq: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS::EDUCACAO
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Universidade Federal de Mato Grosso
Sigla da instituição: UFMT CUC - Cuiabá
Departamento: Instituto de Educação (IE)
Programa: Programa de Pós-Graduação em Educação
Referência: MARCHESI, Reinaldo de Souza. Da educação do rebanho: reflexões nietzschenianas sobre o ensino oferecido às massas. 2011. 94 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal de Mato Grosso, Instituto de Educação, Cuiabá, 2011.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://ri.ufmt.br/handle/1/882
Data defesa documento: 24-Mar-2011
Aparece na(s) coleção(ções):CUC - IE - PPGE - Dissertações de mestrado

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
DISS_2011_ Reinaldo de Souza Marchesi.pdf820 kBAdobe PDFVer/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.