Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://ri.ufmt.br/handle/1/1470
Tipo documento: Dissertação
Título: Representações sociais sobre profissionais de saúde segundo crianças : implicações identitárias no contexto da hospitalização pediátrica
Autor(es): Assunção, Andréia Maria de Lima
Orientador(a): Andrade, Daniela Barros da Silva Freire
Membro da Banca: Andrade, Daniela Barros da Silva Freire
Membro da Banca: Ribeiro, Rosa Lúcia Rocha
Membro da Banca: Novaes, Adelina de Oliveira
Resumo : Esta pesquisa insere-se no projeto guarda-chuva intitulado A construção do conhecimento social por crianças: estudo sobre vivências e significações infantis, no interior do Grupo de Pesquisa em Psicologia da Infância. No que concerne à tipologia investigativa, configura-se segundo os preceitos da pesquisa educacional, alicerçada pelas indicações de Gatti (2002), que revelam a multiplicidade e abrangência de fenômenos atribuídos a este campo de estudo. Em linhas gerais, fundamenta-se pela abordagem psicossocial e adota como objeto de investigação as representações sociais partilhadas por crianças hospitalizadas sobre os/as profissionais de saúde implicados/as em seus tratamentos. A partir do recorte proposto, busca-se explorar as implicações identitárias que tais conteúdos representacionais, cujos significados as crianças compartilham e negociam – os quais, por sua vez, estão ancorados nos diferentes paradigmas de hospitalização e objetivados pelas práticas em saúde empreendidas pela equipe –, suscitam aos processos de representação de si segundo crianças hospitalizadas. O aporte teórico constitui-se pelo diálogo entre a teoria das representações sociais (MOSCOVICI, 2003; 2012), em uma abordagem ontogenética (DUVEEN; LLOYD, 2008), e a teoria histórico-cultural (VIGOTSKI, 2000a; 2000b; 2006; 2008; 2009). A etapa de produção de dados foi realizada na enfermaria pediátrica de um hospital público do município de Cuiabá (MT), ao longo de três meses. A metodologia empregada inspirou-se na abordagem do tipo etnográfica (ANDRÉ, 2003), com a adoção das técnicas de observação participante; entrevista, delineada pelo emprego do roteiro lúdico “Quem cuida de mim no hospital?”; e análise de documentos para a contextualização institucional, bem como pela coleta de quatro depoimentos de profissionais com o objetivo de favorecer a compreensão dos marcos históricos da constituição do setor pediátrico. Participaram da pesquisa 26 crianças, entrevistadas e acompanhadas ao longo de seus processos de internação. Para a análise e processamento das informações foram empregadas técnicas específicas para cada etapa de produção de dados, abarcando, de maneira geral, a análise compreensiva, o processamento pelo programa computacional IRAMUTEQ (CAMARGO E JUSTO, 2013a; 2013b; 2014), a análise a partir da proposta de núcleos de significação (AGUIAR; OZELLA, 2006; 2013; AGUIAR; SOARES; MACHADO, 2015), bem como adotou a forma definida como triangulação do pesquisador (APOSTOLIDIS, 2006). As análises empreendidas revelaram que os/as participantes anunciaram como responsáveis pela esfera do cuidado sujeitos que se divergiram daqueles que usualmente integram as equipes de saúde, considerando, segundo esta perspectiva, modalidades de práticas que perpassavam as posturas desempenhadas pelas redes sociofamiliares, pelas profissões encarregadas pelas ações de distribuição de alimentos, limpeza e biossegurança, bem como o cuidado exercido entre crianças, sob o emprego de recursos tecnológicos ou conduzido pelas próprias crianças em direção aos/às adultos/as. Com o propósito de nomear os/as atores/atrizes do cenário hospitalar, as crianças incorporaram terminologias difusas apoiadas em repertórios já conhecidos, salientando-se, neste ponto, a invisibilidade em torno da identidade profissional das categorias técnicas e auxiliares em enfermagem. O conjunto de informações e conhecimentos sociais apreendidos pelas crianças a partir da rede de significados partilhadas sobre os/as profissionais de saúde demonstraram-se imbricados aos fenômenos identitários na medida em que forjaram distintas modalidades de participação no tratamento. A expressão dos conteúdos associados à dimensão hostil, adversa e/ou invasiva do cuidado, verbalizados mediante a redução da pressão normativa fomentada pelo roteiro lúdico, pareceram integrar a zona muda (ABRIC, 2005), face não declarável da representação, convergindo para a construção de conhecimentos sociais circunscritos às relações biopsicossociais dos sujeitos neste contexto.
Resumo em lingua estrangeira: This research is inserted in the main project entitled The construction of social knowledge by children: the study about experiences (livingness) and signification in the childhood, inside the Research Group on Childhood Psychology. As far as what concerns the investigative typology, it configures itself on the precepts of educational research, founded on the indications of Gatti (2002), that reveals the multiplicity and range of phenomena attributed to this field of study. In general, it is founded by the psychosocial approach and embraces as object of investigation the social representations shared by hospitalized children about the healthcare professionals involved in their treatments. From the proposed cut section, it is intended to explore the identity implications that those representational contents, in which the children share and negotiate – the ones that are anchored in different paradigms of hospitalization and objectified by the practices in health done by the crew – cause to the processes of representation of self by hospitalized children. The theoretical approach is constituted by the debate between the theory of social representations (MOSCOVICI, 2003; 2012), in an ontogenetic approach (DUVEEN; LLOYD, 2008), and the cultural-historical theory (VIGOTSKI, 2000a; 2000b; 2006; 2008; 2009). The stage of data production was carried on a pediatric nursing ward of a public hospital in the municipality of Cuiabá (MT), during three months. The utilized methodology is inspired on the approach of the ethnographic type (ANDRÉ, 2003), with the adoption of the techniques of participant observation; interview, delineated by the use of the ludic script “Who takes care of me in the hospital?”; and analyzing documents for the institutional contextualization, as well as the collection of four statements of professionals, with the main purpose of favoring comprehension of historical marks in the constitution of the pediatric sector. In this research 26 children participated, were interviewed and followed up throughout their hospitalization process. For the analysis and processing of information, were utilized specific techniques for each stage of data production, involving, in general, the comprehensive analysis, processing by the computational software IRAMUTEQ (CAMARGO E JUSTO, 2013a; 2013b; 2014), the analysis from the proposal of nuclei of signification (AGUIAR; OZELLA, 2006; 2013; AGUIAR; SOARES; MACHADO, 2015), as well as adopted the form defined as researcher triangulation (APOSTOLIDIS, 2006). The analysis revealed that the participants announced that who was responsible for the care context were people who differed from those who usually belong to the health teams, considering, according to this perspective, practices that involved the positions carried out by socio-family networks, the professions in charge of the actions of distribution of food, cleaning and biosafety, as well as the care exercised among children, under the use of technological resources or led by the children themselves towards the adults. With the purpose of naming the actors in the hospital setting, the children incorporated diffuse terminologies based on already known repertories, highlighting, at this point, the invisibility around the professional identity of technical and auxiliary categories of nursing. The set of information and social knowledge seized by the children from the network of shared meanings about health professionals proved to be imbricated to the identity phenomena insofar as they forged different modalities of participation in the treatment. The expression of hostile, adverse and/or invasive care data, verbalized through the reduction of normative pressure by the ludic script, seemed to integrate the mute zone (ABRIC, 2005), an undeclared face of representation, converging towards the construction of social knowledge circumscribed to the biopsychosocial relations of individuals in this context.
Palavra-chave: Representações sociais
Crianças hospitalizadas
Profissionais de saúde
Palavra-chave em lingua estrangeira: Social representations
Hospitalized children
Healthcare professionals
CNPq: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS::EDUCACAO
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Universidade Federal de Mato Grosso
Sigla da instituição: UFMT CUC - Cuiabá
Departamento: Instituto de Educação (IE)
Programa: Programa de Pós-Graduação em Educação
Referência: ASSUNÇÃO, Andréia Maria de Lima. Representações sociais sobre profissionais de saúde segundo crianças: implicações identitárias no contexto da hospitalização pediátrica. 2018. 247 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal de Mato Grosso, Instituto de Educação, Cuiabá, 2018.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://ri.ufmt.br/handle/1/1470
Data defesa documento: 27-Mar-2018
Aparece na(s) coleção(ções):CUC - IE - PPGE - Dissertações de mestrado

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
DISS_2018_Andréia Maria de Lima Assunção.pdf2.21 MBAdobe PDFVer/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.